11 de julho de 2012

"Vamos ajudar o João"

Esta é uma história de vida que me toca profundamente, primeiro porque sou mãe, mas também porque tenho um caso idêntico na minha família! São gémeos e nasceram com paralisia cerebral e outras doenças associadas... Até hoje os médicos não conseguiram chegar a uma conclusão [e já passaram 11 anos]... mas tudo indica para erro médico já que a gravidez foi normal, eram saudáveis, mas aos 7 meses de gravidez a minha tia começou a ter contracções de parto e o médico mandou-lhe tomar medicamentos para atrasar o parto, e que já podia correr e saltar que tão cedo não nasciam... Uma monstruosidade!

Mas estou aqui para falar do João, e passo a citar as palavras da Mary:


" A todos os que me lêem,

Acho que nunca vos pedi nada, mas há uma primeira vez para tudo e parece-me que é desta. Peço-vos que vejam este vídeo e que ajudem como puderem, partilhando este post e/ou, melhor ainda, contribuindo.

O caso do João (o menino do filme) não me chegou através de terceiros: conheço a Mãe dele há uma série de tempo e tenho acompanhado esta história desde o primeiro minuto. Basicamente, a Célia teve uma gravidez normalíssima e esperava um filho completamente saudável até que lhe foi feito um parto absolutamente selvático - que deixou sequelas terríveis no João, tanto a nível físico como cognitivo.

O João foi vítima de uma asfixia grave durante o parto - quando tudo indicava que deveria ser feita uma cesariana - e nasceu em estado de morte aparente; a equipa médica passou meia-hora a reanimá-lo e ele (que é um guerreiro) sobreviveu, mas com muitas e variadas sequelas. O João sofre de paralisia cerebral grave, de uma forma de epilepsia grave (Síndrome de West), não vê, não interage, alimenta-se através de um tubo gástrico e tem uma escoliose muito acentuada. Nasceu com um índice de Apgar de 1 e sofre de uma incapacidade de 100%.

Na altura do nascimento, deram-lhe oito meses de vida, mas a verdade é que já completou três anos! Neste momento é acompanhado pela Unidade de Neurologia do Hospital D. Estefânia, mas para ter alguma qualidade de vida precisa de uma série de coisas: cadeira de transporte Bug tamanho 1-2 com apoios de tronco, colete, cinto pélvico, apoios de pés e tabuleiro, standing frame com plano inclinado e vários tratamentos para minimizar a epilepsia - até agora refractária a toda a medicação.

Uma vez mais, este post não me foi encomendado por ninguém (até porque não escrevo nada por encomenda): escrevo-o porque vi o João hoje à tarde e senti que tinha mesmo que fazer alguma coisa.

Neste momento, tenho mais de 900 pessoas que lêem diariamente este blogue. Se cada uma delas der um euro que seja e/ou partilhar este post pela sua rede de amigos e conhecidos, imaginem a diferença que poderemos fazer na vida do João!

Aqui ficam os NIB's dos Pais do João: 003521790001400503008 (CGD) ou 000700001338820015523 (BES).

Muito obrigada a todos, mesmo."


1 comentário:

  1. Mais um caso que me parte o caração... Pobre família...

    ResponderEliminar

Agradeço o teu comentário e a visita! Espero ver-te por cá mais vezes ;)